sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Olhos...


Olhos insípidos como ar
Azul como o infinito do céu
Verde como a imensidão do mar
Preto como a escuridão da noite
Castanho como por do sol...

Olhos que brilham ao te ver
Que me guiam sem saber
Que iluminam meu viver
Que sentenciam um querer...

Olhos matreiros a me fitar
Rutilantes na arte de hipnotizar
Arrogantes ao me encarar
Sensíveis a me ver chorar
Chamativos na hora de amar...

Olhos que são espelhos da alma
Reflexos oculto do prisma do ser
Testemunhas cálidas de nossas
Singelas e abstratas emoções...

Creative Commons Brasil.
Licença Creative Commons: permitir a cópia,

distribuição e execução da obra,
desde que lhe sejam atribuídos os devidos créditos.

Arcanjo Miguel

1 comentários:

simoni boettger disse...

olá Arcanjo...lindo poema,cheio de sutilezas...vc é um talento e tem o dom de nos acalentar a alma!


beijo magico